11 5573.7859
     5081.5391
 > 
Blog

'Implante Dent√°rio, Clareamento Dental, Blog Takahashi Macedo Odontologia Multidisciplinar'

Consenso 2015

Consenso 2015

3 Simp√≥sio sobre Biomateriais em Implantodontia e Periodontia 14 a 16 de maio – Centro de Conven√ß√Ķes Rebou√ßas – S√£o Paulo MR-3: Substitutos √≥sseos em Implantodontia: como s√£o vistos na atualidade? Data: sexta-feira, 15 de maio de 2015 | Hor√°rio: 9h √†s 12h Presidente da mesa: Andr√© A. Pelegrine Luis Guilherme S. Macedo Hor√°rio: 9h15 √†s 9h45 Tema: Enxertos com biomateriais xen√≥genos e sint√©ticos Abordagem: O objetivo ser√° discutir os mais recentes estudos cient√≠ficos publicados sobre o tema, apresentando as diversas possibilidades de uso dos biomateriais, suas reais indica√ß√Ķes, estudos comparativos entre ambos, quando e onde utilizar, e ainda abordar os questionamentos ainda existentes sobre o mesmo. Wilson R. Sendyk Hor√°rio: 9h45 √†s 10h15 Tema: Estado atual dos enxertos hom√≥genos provenientes de banco de tecidos Marcelo Napimoga Hor√°rio: 11h √†s 11h30 Tema: Resposta imunol√≥gica do hospedeiro frente aos biomateriais para regenera√ß√£o √≥ssea Abordagem: O uso de bloco al√≥geno proveniente de banco de tecidos musculoesquel√©ticos para ganho na regi√£o dos maxilares para posterior implante dental tem crescido nos √ļltimos anos no Brasil. No entanto, poucos estudos sobre a resposta imunol√≥gica destes blocos nos pacientes que receberam tal bloco foram realizados. √Č not√≥rio que mesmo ap√≥s o processamento destes blocos √≥sseos ocorre sensibiliza√ß√£o (produ√ß√£o) de anticorpo do indiv√≠duo receptor contra a mol√©cula HLA. Apesar de in√ļmeros estudos na √°rea de ortopedia indicar que a despeito da produ√ß√£o de anti-HLA nos receptores, n√£o h√° evid√™ncias de preju√≠zo na incorpora√ß√£o do enxerto. No entanto, existe uma preocupa√ß√£o importante e ainda n√£o inteiramente conhecida, que √© o efeito que esta sensibiliza√ß√£o em decorr√™ncia do enxerto em uma futura necessidade deste indiv√≠duo realizar um transplante...

Sa√ļde de sua Gengiva e Est√©tica Oral

A est√©tica dos seus dentes depende da sa√ļde de sua gengiva. As Cirurgias Pl√°sticas Gengivais s√£o procedimentos que surgiram com a finalidade de recuperar altera√ß√Ķes ou deforma√ß√Ķes e melhorar a est√©tica do sorriso do paciente. Sorriso Gengival Dentes aparentemente curtos pode ser um problema de Sorriso Gengival. Um sorriso gengival √© aparente quando a gengiva cobre os dentes de forma excessiva, resultando em uma apar√™ncia de dentes mais curtos. Neste caso a cirurgia gengival remove o excesso de tecido √≥sseo da gengiva consequentemente expondo uma maior quantidade de dente de forma mais natural. Retra√ß√Ķes Gengivais Dentes aparentemente longos podem ser devido as Retra√ß√Ķes Gengivais. As retra√ß√Ķes gengivais correspondem ao deslocamento da gengiva para uma posi√ß√£o mais elevada, deixando a sensa√ß√£o de que seus dentes est√£o mais longos. Por deixar parte da raiz dental exposta, promove sensibilidade com subst√Ęncias frias, quentes e doces, o que causa grande desconforto est√©tico e...

O que é Periodontite

Periodontite √© a inflama√ß√£o e infec√ß√£o dos ligamentos e ossos que d√£o suporte aos dentes. A periodontite √© uma doen√ßa comum, por√©m perfeitamente poss√≠vel de ser prevenida. Causas A periodontite ocorre quando gengivite, que √© a inflama√ß√£o e infec√ß√£o das gengivas, n√£o √© tratada ou quando o seu tratamento √© adiado. Os quadros infecciosos e inflamat√≥rios passam das gengivas para os ligamentos e ossos que d√£o suporte aos dentes. A perda deste suporte faz com que os dentes fiquem soltos e acabem caindo. A periodontite √© a principal causa de perda de dentes em adultos. Esse problema n√£o √© comum na inf√Ęncia, mas aumenta durante a adolesc√™ncia. A placa bacteriana e o t√°rtaro se acumulam na base dos dentes. A inflama√ß√£o causa o desenvolvimento de um bolso entre as gengivas e os dentes. Essa inflama√ß√£o, com o tempo, acaba causando a destrui√ß√£o dos tecidos e dos ossos que cercam o dente. Como a placa cont√©m bact√©rias, √© prov√°vel que haja infec√ß√£o tamb√©m, o que pode levar ao desenvolvimento de um abscesso dent√°rio, aumentando a taxa de destrui√ß√£o √≥ssea. Not√≠cias Estudo Internacional sobre periodontite severa revela situa√ß√£o preocupante. O estudo concluiu que h√° cerca de 700 milh√Ķes de novos casos por ano de periodontite severa no planeta que se juntam ao j√° elevado n√ļmero de ocorr√™ncias existentes, o que faz da doen√ßa uma das seis mais prevalentes do mundo. Veja o artigo completo em: Fonte:...

Com 15% dos dentistas do mundo, Brasil tem mercado milion√°rio do sorriso

Katy Watson, correspondente de economia da BBC para a Am√©rica do Sul, comenta a import√Ęncia da higiene pessoal para os brasileiros e como isso reflete no mercado de produtos e servi√ßos. “N√≥s (os brasileiros) sorrimos muito. Toda vez que pedimos alguma coisa, n√≥s sorrimos. Quando pedimos desculpas, sorrimos. As pessoas v√™em o sorriso como uma esp√©cie de cart√£o de visita”, explica Ronaldo Art, gerente de marketing para higiene oral da Johnson & Johnson no Brasil. “Historicamente, se voc√™ tem um sorriso bonito no Brasil voc√™ √© uma pessoa rica”, diz Eduardo Campanella, diretor de marcas de higiene oral da Unilever Brasil. Segundo o grupo de an√°lises econ√īmicas Euromonitor Internacional, o Brasil tem o maior n√ļmero de dentistas do mundo. S√£o mais de 240 mil, o que equivale a 15% dos dentistas do mundo. Em volume geral, o mercado dental brasileiro √© o terceiro do mundo, atras apenas dos EUA e da China. Veja o artigo completo em: Fonte: De Katy Watson, correspondente de Economia da BBC para a Am√©rica do Sul, em...

Substituto √ďsseo para Enxerto

Dependendo do defeito e do objetivo do seu tratamento, a escolha de um substituto √≥sseo como o Straumann¬ģ BoneCeramic‚ĄĘ pode promover o sucesso do tratamento. O BoneCeramic‚ĄĘ √© um substituto de enxerto √≥sseo totalmente sint√©tico desenvolvido para apoiar a regenera√ß√£o √≥ssea e preservar o volume √≥sseo. O BoneCeramic‚ĄĘ pode ser usado para uma s√©rie de procedimentos para regenera√ß√£o √≥ssea dent√°ria. Ele possui uma morfologia otimizada que promove a nova forma√ß√£o de ossos vitais. O BoneCeramic‚ĄĘ gradualmente reabsorve e √© substitu√≠do pelo osso vital do pr√≥prio paciente.1 A regenera√ß√£o do tecido √≥sseo vital constr√≥i uma base para o sucesso da osseointegra√ß√£o de um implante dent√°rio e o novo crescimento funcional das estruturas periodontais. A formula√ß√£o espec√≠fica do BoneCeramic‚ĄĘ foi desenvolvida para apoiar a regenera√ß√£o √≥ssea vital dos pacientes, enquanto tamb√©m restaura e preserva o volume √≥sseo, que √© essencial para o resultado est√©tico.2 EXCELENTE MANUSEIO O BoneCeramic‚ĄĘ √© um produto totalmente sint√©tico e biocompat√≠vel. Seu processo de fabrica√ß√£o possui distribui√ß√£o de fase homog√™nea e uniformidade lote-a-lote. Quando aplic√°vel, o BoneCeramic‚ĄĘ rapidamente absorve fluidos, formando uma massa granulada. Os gr√Ęnulos umedecidos aderem ao instrumento de aplica√ß√£o e, posteriormente, se encaixam ao defeito √≥sseo habilmente. INDICA√á√ēES O BoneCeramic‚ĄĘ √© indicado para preenchimento e/ou aumento em defeitos √≥sseos intraorais/maxilofaciais: Defeitos √≥sseos do rebordo alveolar Locais de extra√ß√£o de dente Eleva√ß√£o do assoalho do seio Defeitos √≥sseos periodontais intra√≥sseos e bifurca√ß√£o Para regenera√ß√£o periodontal em defeitos amplos, o BoneCeramic‚ĄĘ tamb√©m est√° dispon√≠vel combinado ao Emdogain¬ģ. 1 Froum S. J.et al. Int. J. Periodontics Restorative Dent. 2008;28:273-281. 2 Mardas N. et al. Poster IADR 2008. Dados em arquivo (estudo CR 03/05). 3 Hammarstr√∂m J Clin...

Bom sorriso ajuda a ter trabalho

Confira o impacto da est√©tica oral em sua carreira. “Bom sorriso ajuda a ter trabalho, diz estudo de dentista em revista dos EUA” Mat√©ria publicada no UOL em: http://economia.uol.com.br/empregos-e-carreiras/noticias/redacao/2014/12/11/bom-sorriso-ajuda-a-ter-trabalho-diz-estudo-de-dentista-em-revista-dos-eua.htm. “O dono de um sorriso bonito tem mais chances de ser efetivado em um trabalho na √°rea comercial. Essa √© a constata√ß√£o de uma pesquisa acad√™mica feita por um dentista brasileiro e publicada na revista americana de odontologia “American Journal of Orthodontics & Dentofacial Orthopedics”. O estudo levou em conta dados de cem respons√°veis por contrata√ß√Ķes no com√©rcio. Segundo a pesquisa, pessoas com “sorrisos ideais” s√£o vistas como mais inteligentes e t√™m maior chance de encontrar um emprego, quando comparadas com profissionais com a mesma capacidade, mas sem um sorriso bonito. A pesquisa √© de autoria do dentista e professor universit√°rio Matheus Pithon, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Ele mostrou aos respons√°veis por contrata√ß√Ķes fotos das mesmas pessoas, fazendo apenas uma corre√ß√£o digital no sorriso. Para Pithon, o fato de se resolver empregar quem tem o sorriso mais bonito mostra tamb√©m um preconceito impl√≠cito na sociedade. “Acaba que o mais bonito √© tido como o melhor”, comentou o professor. Ele negou haver conflito de interesse entre a profiss√£o que exerce e a pesquisa. Para o professor, o sorriso s√≥ n√£o seria levado em conta em empregos sem contato direto com o p√ļblico, como o trabalho rural. Pithon disse que a ideia de fazer a pesquisa nasceu em 2013, ao observar fotos antigas de Tom Cruise, quando o ator tinha os dentes da frente falhados. “Ser√° que ele conseguiria chegar a ser um astro do cinema com esses dentes?”,...

Em qual momento devemos pensar em preservação alveolar?

Prof Dr Lu√≠s Guilherme Macedo faz um alerta para garantir longevidade e sucesso nas reabilita√ß√Ķes. Quando pensamos em preserva√ß√£o alveolar, ou quando nos deparamos com este tema em grades cient√≠ficas de eventos, simp√≥sios ou congressos, logo vem a ideia de preenchimento dos alv√©olos ap√≥s a exodontia. Temos visto constantemente este conceito se perpetuando, e o avan√ßo das empresas e o marketing, podemos at√© dizer agressivo muitas vezes, tem encorajado essa t√©cnica cada vez mais. Mas, fa√ßo aqui a quest√£o aos caros leitores: ser√° esse o √ļnico momento no qual devemos pensar em preserva√ß√£o alveolar? A resposta √© n√£o. Se voltarmos em 1986, o sueco Thomas Albrektson publica no Jomi ‚Äď International Journal of Oral and Maxillofacial Implants sobre os fatores de sucesso para a osseointegra√ß√£o, e nos mostra que a perda √≥ssea na crista marginal entre 1,5 a 2 mm ap√≥s o primeiro ano de fun√ß√£o dos implantes pode ser considerada normal, fato esse denominado de sauceriza√ß√£o. Imaginem esses n√ļmeros ao redor de implantes curtos, amplamente utilizados hoje em dia. Se buscarmos informa√ß√Ķes na literatura sobre repara√ß√£o alveolar, iremos encontrar um consenso de que ap√≥s a extra√ß√£o do elemento dental, o est√≠mulo proveniente da mastiga√ß√£o, anteriormente transmitido ao tecido √≥sseo atrav√©s das fibras do ligamento periodontal, cessa. Consequentemente, inicia-se um processo de atrofia √≥ssea que pode alcan√ßar cerca de 30% em apenas seis meses. Seria esse fato fisiol√≥gico ou consequ√™ncia do trauma que n√≥s, profissionais, provocamos durante a exodontia? O que importa √© que perdemos nosso alv√©olo. Entretanto, estudos como os de Ara√ļjo & Lindhe na d√©cada de 1990 nos mostram que h√° possibilidade de se preservar esse alv√©olo,...

A import√Ęncia do biomaterial na instala√ß√£o imediata de implantes

Procedimento bastante corriqueiro, a extra√ß√£o com instala√ß√£o imediata de implantes em alv√©olos tem sido bastante estudada. Estudo cient√≠fico retratando uma situa√ß√£o cl√≠nica foi recentemente publicado no JOMI (International Journal of Maxillofacial Implants) por Kim S et al. (2011). Em modelo animal, 3 implantes foram instalados de cada lado, sendo caracterizada tr√™s situa√ß√Ķes diferentes: Controle ‚Äď implante devidamente instalado no alv√©olo. Teste 1 ‚Äď implante instalado e alv√©olo com defeito √≥sseo circunferencial. Teste 2 ‚Äď implante instalado em alv√©olo com defeito circunferencial preenchido com biomaterial (Fosfato de c√°lcio bif√°sico). Os resultados foram avaliados por an√°lise histol√≥gica e histomorfom√©trica e demonstraram que em 8 semanas: Grupo controle ‚Äď tecido √≥sseo em contato com o implante em toda a extens√£o. Grupo sem enxerto ‚Äď tecido √≥sseo somente em 1/3 do defeito e o restante preenchido com tecido conjuntivo. Grupo com enxerto ‚Äď tecido √≥sseo em ¬Ĺ do defeito e o restante preenchido com part√≠culas remanescentes do biomaterial. Em 16 semanas: Grupo controle ‚Äď tecido √≥sseo em contato com o implante em toda a extens√£o. Grupo sem enxerto ‚Äď tecido √≥sseo somente em ¬Ĺ do defeito e o restante preenchido com tecido conjuntivo e parte do defeito ainda presente. Grupo com enxerto ‚Äď tecido √≥sseo em contato com o implante em 75% do defeito e o restante preenchido com part√≠culas remanescentes do biomaterial. Os resultados demonstram a necessidade de se preencher o alv√©olo com biomaterial ativo, onde as part√≠culas impedem o tecido mole de migra√ß√£o apical, deixando tempo h√°bil para que ocorra a forma√ß√£o √≥ssea por substitui√ß√£o e que possa integrar o implante, princ√≠pio da regenera√ß√£o √≥ssea guiada. Os casos em que n√£o...

Uso de Células Tronco no Tratamento de Doenças Oculares

Com o avan√ßo da medicina conseguimos, hoje, tratar doen√ßas que antes eram incur√°veis. O uso de c√©lulas tronco j√° faz parte das op√ß√Ķes de tratamento, principalmente em casos doen√ßas hematol√≥gicas como a leucemia. O transplante de medula √≥ssea foi o primeiro transplante incorporado com sucesso na pr√°tica m√©dica. Mas afinal, o que s√£o c√©lulas tronco? N√£o s√£o c√©lulas que nascem nas √°rvores assim como se falou em uma propaganda. C√©lulas tronco s√£o c√©lulas indiferenciadas capazes de se transformar em qualquer c√©lula do nosso organismo. Ou seja, uma c√©lula tronco pode se diferenciar em uma c√©lula do c√©rebro ou do rim ou do olho. Ent√£o o que determina a transforma√ß√£o destas c√©lulas? Este processo √© controlado por diversos fatores como os horm√īnios e fatores de crescimento. As pesquisas atuais investigam estes processos para que seja poss√≠vel direcionar o crescimento de c√©lulas tronco para o tipo celular que se deseja. E as c√©lulas tronco s√£o usadas para tratar doen√ßas dos olhos? SIM! O olho funciona como uma c√Ęmera fotogr√°fica e pode ser dividido em 2 partes. A parte anterior funciona como as lentes da c√Ęmera ‚Äď s√£o a c√≥rnea e o cristalino. J√° a parte posterior funciona como o filme da c√Ęmera ‚Äď a retina. Saiba mais sobre o uso de c√©lulas tronco no tratamento de doen√ßas oculares em:...

  R. Jardim Ivone, 01 - Vila Mariana, S√£o Paulo, 04105-020
  E-mail: atendimento@tmodonto.com.br


  CRO SP - CL 9676 - Respons√°vel T√©cnico: - CRO SP - 66.678
Agendamentos ou Informa√ß√Ķes

11 5573.7859
     5081.5391